BIOLÓGICA - ALAPOS CIÊNCIA E NOTÍCIAS

biologica_alapos_hepatiteb_dralusianeborges_cursodeasb_cursotsb

 

A hepatite B existe há 4.500 anos 

Por: Dra Lusiane Borges

 

O vírus da hepatite B infecta a população há muito tempo, os pesquisadores agora têm evidências de que têm infectado seres humanos há pelo menos 4.500 anos.

As evidências estão em dois estudos publicados na revista Nature. Em um artigo, o DNA do vírus foi sequenciado a partir de 304 indivíduos que viveram entre 200 e 7 mil anos atrás na Eurásia central e ocidental. Evidência de infecções pela hepatite B foi encontrada em 25 pessoas, variando ao longo de um período de quase 4.000 anos.

 

No segundo estudo, sequências de genoma foram feitas de 137 humanos antigos das estepes da Eurásia – uma região de cerca de 8.000 km de extensão que se estende da Hungria ao nordeste da China. Os pesquisadores usaram amostras cobrindo um período de cerca de 4.000 anos e recuperaram 12 genomas completos ou parciais do vírus da hepatite B.

Os recentes avanços no sequenciamento do DNA produziram importantes visões sobre a evolução humana, a dinâmica populacional passada e as doenças, escreveram os autores.

 

A raiz real da hepatite B está projetada para estar entre 8,6 mil e 20,9 mil anos atrás, e o trabalho de detetive genético em amostras antigas está lentamente mostrando o caminho da origem e evolução dos vírus.

Mas somente em 1965 a hepatite B foi “descoberta” quando Baruch Blumber, então trabalhando no “National Institutes of Health (NIH)”, descobriu o Antígeno Austrália (que mais tarde veio a ser conhecido como sendo o antígeno de superfície da Hepatite B, ou HBsAg no sangue de aborígenes australianos.

O Dr. Baruch Blumber foi reconhecido com o Prêmio Nobel de Medicina em 1976 por descobrir o vírus da hepatite B e, posteriormente, a vacina para a doença.

 

Fontes:

  • Mühlemann B, et al “Ancient hepatitis B viruses from the Bronze Age to the Medieval period” Nature 2018; DOI: 10.1038/s41586-018-0097-z.
  • Damgaard PDB, et al “137 ancient human genomes from across the Eurasian steppes” Nature 2018; DOI: 10.1038/s41586-018-0094-2.

 

dralusianeborges.JPG

Biomédica e Especialista em Microbiologia - UNIFESP; Cirurgiã-dentista – UMESP, São Paulo.Pós-Graduada em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Infecção – UNIFESP/EPM; MBA em Esterilização – INESP, São Paulo; Docente do Centro de Pós-Graduação em Saúde do Hospital Albert Einstein desde 2010. Coordenadora dos Cursos de Auxiliar e Técnicos e Saúde Bucal – APCD e ABO desde 2001; Autora do Livro “ASB e TSB Formação e Prática da Equipe Auxiliar”, Ed Elsevier,2014, Representante da OSAP (Organization for Safety, Asepsis and Prevention) - EUA no Brasil desde 2009 e Coordenadora Científica da FOLA (Federação Odontológica Latino-americana) 2015-2021.